segunda-feira, 19 de junho de 2017

Quinta do Beco

                  O lugar do Beco em Rans situa-se na colina de um monte que ladeia a aldeia de Rans, à mesma cota da Igreja de São Miguel.
A Quinta de Beco era pertença de Pedro Anes de Husso e seus filhos Afonso e Pedro Leão. Todos eles ocuparam cargos de tabeliães, escrivães ou juízes de Penafiel ou de Aguiar de Sousa.
Pedro Leão terá nascido na segunda metade do século XV em Penafiel ou na Quinta do Beco e veio a falecer após 1505 na Casa da Lágea, em S. Martinho de Parada de Todeia. Foi Juiz das sisas do julgado de Aguiar de Sousa. Casou em primeiras núpcias com Inês Beça na Igreja de S. Miguel de Rans. Desta Senhora teve João Beça, Inês de Leão de Beça, ambos nascidos na Quinta do Beco, em Rans.
João de Beça foi tabelião do julgado de Aguiar de Sousa, em 1499, nomeado mais tarde escrivão dos órfãos do Julgado de Aguiar de Sousa. Viveu, também, na Casa da Lágea, em Parada de Todeia. Sua irmã Inês de Leão Beça foi Senhora da Quinta de Beco, em Penafiel. Casou com Marcos Barbosa escrivão das sisas e dos órfãos de Aguiar de Sousa e tabelião de Penafiel. Tiveram três filhos: Aleixo Barbosa de Beça, também tabelião de Penafiel; Maria de Leão de Beça que casou com Francisco da Silveira, Senhor da Honra de Caíz, filho de António da Silveira e de Lucrécia Brandão e Miguel de Leão Barbosa que casou com Catarina de Sousa. Depois de viúvo foi arcediago de Vermoim, na Sé de Braga.
A Quinta do Beco em Rans permaneceu na posse de Violante Leão da Fonseca.
Existiu uma outra quinta do Beco a par com uma quinta de Chelo em S. Martinho de Arrifana de Sousa, que depois foram vendidas à Quinta da Aveleda.
Miguel de Leão Barbosa instituiu em 1612 a Capela de Nossa Senhora do Rosário do Monte, em Guilhufe.
A Quinta do Beco em Rans, segundo o autor, ainda existia em 2011, apesar de arruinada e estava na posse dos herdeiros de D. António Ferreira Gomes.


          Cf. LEÃO, Francisco Delfim Guimarães da Cunha – “Genealogia da Família Leão de Parada de Todeia e Sobreira”. Óbidos: Ed. de autor, 2012. P. 27-32.


 

Sem comentários:

Publicar um comentário