sexta-feira, 7 de julho de 2017

Amigos do Arquivo de Penafiel
Casinha dos Vinhos
Ou
Casa do Despacho dos vinhos e almotacéis do Porto
 
             Situava-se junto ao muro da Ribeira, no Porto.
             Em 25 de maio de 1632, Álvaro Pires de Távora comprou ao Senado da Câmara do Porto, 80 mil réis de juro assentes na Casinha dos Vinhos, os quais vinculou ao seu morgado. Estes juros, assentes na Casinha dos Vinhos, foram vendidos com autorização real para ajuda de socorro aos Estados da Índia e Brasil.
Em 15 de março de 1672, a abadessa do Convento de Santa Clara, Dona Brites Baptista comprou 40 mil réis de juros, assentes na Casinha dos Vinhos, à filha de Álvaro Pires de Távora que, entretanto, os tinha desvinculado do morgado por troca com outros, podendo, a partir dessa altura, as religiosas cobrarem o dito juro.
As freiras da Santa Clara aplicaram os 40 mil réis na festa da Nossa Senhora das Neves, em missas de sua confraria e obras pias, bem como na festa do Espírito Santo e Senhora dos Paços, no Santíssimo Sacramento e para azeite de sua capela.
 
          Cf. ARQUIVO MUNICIPAL DE PENAFIEL – Inventário do acervo documental do Morgado da Aveleda. Penafiel: Câmara Municipal de Penafiel, 2011, p.766.
 
          Foto antiga da Ribeira do Porto retirada do site http://www.portoantigo.org/2014/07/porto.html.
 
          Imagem pertencente ao espólio do Morgado da Aveleda, cota PT/SACQA/MA/A/AQ/B/mç.01/cd.01.

 

Sem comentários:

Publicar um comentário