quarta-feira, 5 de abril de 2017

Amigos do Arquivo de Penafiel
“Breve achega sobre a Música na cidade de Penafiel”
Coretos.
             Os coretos, designados em vária literatura da época por music-kiosk ou bandstad aparecem pela primeira vez, com a configuração que lhe conhecemos, em Inglaterra. Em Espanha, designam-se por tablado para tocar bandas de música. Em Portugal, apenas duas mãos cheias de coretos estão classificados e são menos de cinco dezenas os que estão inventariados e uma centena de muitos outros estão deitados ao abandono. Sinónimo de festa, alguns coretos são ainda usados para receber bandas filarmónicas (apesar de hoje já não servirem propriamente as bandas porque estas cresceram em número de efetivos) e outros agrupamentos; surgem nos finais do século XVIII, aparecendo em vária literatura como pavillon de musique ou tribune de musiciens. Em Penafiel, destaquem-se os coretos do Sameiro, da Rua Formosa, do Jardim do Calvário, também chamado Jardim Egas Moniz, e o da Igreja do Carmo. Este último deverá substituir um mais antigo feito de materiais perecíveis, pois aparecem na documentação in situ dos séculos XIX e XX inúmeras referências a festas, aos gastos com músicos que abrilhantavam as festas, a cantores destacados para o ofício da missa, transporte do harmónio do Porto para Penafiel a 21 de Julho de 1963 por 25 escudos; reparação do órgão a 31 de Julho de 1983 por 4.000; aluguer de harmónio por 140; gastos referentes a tocadores de cornetas, tambores, música militar, ou padre de cantochão em 1819. 
 
               Cf. DUARTE, Sónia. Breve achega sobre a Música na cidade de Penafiel. Notícias de Penafiel, Penafiel, 30 de setembro. 2016. Edição n.º20. p.13.
 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário